HIT THE GLASS

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Os melhores "trash talkers" da NBA

Recentemente, Kobe Bryant comentou que Gary Payton e Kevin Garnett foram os melhores trash talkers que enfrentou. Trash Talk, ou aquela provocação para desconcentrar os adversários, é uma arte. As novas regras da NBA, limitando até um olhar após uma enterrada, limitam a possibilidade de novos trash talkers, mas os coroas se lembram.
Shaquille O'Neal: Shaq era um excelente trash talker, mas fora das quadras. Dentro, o Mais Dominante de Todos os Tempos deixava seu jogo, ou punhos, falar. Fora de quadra, sua boca fazia as vezes de punhos, acertando jabs com as palavras.

No início dos anos 2000, o Los Angeles Lakers tinha uma rivalidade séria com o Sacramento Kings. Durante os anos de séries difíceis nos playoffs, Shaq chamou o Kings de Sacramento Queens. Ou a musica, ao ritmo de Cheers, que ele fez para a equipe.


Mas a maior vítima foi Kobe Bryant, nos anos seguintes a saída de O'Neal do Lakers.



E uma compilação de das melhores respostas do MDE.



Reggie Miller: Um dos piores comentaristas da televisão americana, o irmão de Cheryl Miller também entra na lista. Reggie não só falava com os adversários mas envolvia a torcida também. Seu alvo favorito era Spike Lee, que sozinho, conseguiu motivar o Indiana Pacer mais que os adversários.



Charles Barkley: Barkley tinha um jogo acontecendo contra os adversários em quadra, um jogo acontecendo contra os árbitros, um jogo acontecendo contra os torcedores da equipe adversária. Nem os mascotes escapavam de Sir Charles.



Com um sotaque típico do Alabama, ninguém escapava. Ninguém. Em Barcelona '92 ele foi um terror para as relações internacionais americanas.



Gary Payton: The Glove não parava de falar por um minuto. Nem no banco. O armador que fez fama com Shawn Kemp no saudoso Seattle Supersonics era uma máquina de conversa. GP chegou ao ponto de tirar Michael Jordan do sério, uma coisa rara.



Michael Jordan: Payton conta uma das minhas histórias favoritas sobre o trash talking de Michael Jordan. Ao encontrar MJ logo após Payton ter assinado seu primeiro contrato o então novato disse, "Mike, agora estou ganhando meus milhões e comprando [Ferraris] Testarossa e Lamborghinis também". "Sem problemas", respondeu um calmo Jordan, "eu ganho as minhas de graça".

Em uma partida contra o Utah Jazz, MJ girou e enterrou marcado por John Stockton. Um torcedor do Jazz, por algum motivo, resolveu desafiar Jordan, "enterre em alguém do seu tamanho". Na jogada seguinte, MJ enterra em cima de Mel Turpin, de 2,16 m de altura. Ao voltar para a defesa ele pergunta para o torcedor "ele é grande o suficiente?".



Larry Bird: Mas o maior exemplo de trash talkers na NBA (e talvez o único que tenha chegado perto do lendário Muhammad Ali) foi Bird. Algumas histórias.

Brad Daugherty conta que estava pronto para dar um toco em Bird, quando o ala do Boston Celtics deu o pump fake e Brad passou voando, Larry disse "voe, passarinho" e converteu o arremesso.

O famoso jogo da mão esquerda foi uma ode ao trash talking. Cansado de vencer na road trip Bird anunciou "Amanhã, no último jogo fora de casa, Arremessarei só com a mão esquerda. Pelo menos por 3 quartos". Larry terminou os 3 quartos com 27 pontos.

Segundo Danny Ainge, Larry costumava chegar nos vestiários como visitante e pedir para um dos garotos que cuidavam dos jogadores para descobrir o recorde de pontos da arena.

Em uma partida de Natal contra o Pacers, Larry disse para Chuck Person que tinha um presente para ele. Bird converteu uma de 3 na cara do Pacer e disse "Feliz f***ing Natal".

Mas, as duas melhores provavelmente são essas.

Share This

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Designed By Blogger Templates | Distributed By Gooyaabi Templates